informações importantes

planejamento

Terminais Rodoviárias mais próximos: Formosa; São João d´Aliança; Alto Paraíso de Goiás;

Aeroporto mais próximo: Aeroporto Internacional de Brasília – Presidente Juscelino Kubitschek (BSB)

Melhor época: a trilha pode ser percorrida o ano todo, sendo a melhor época de maio a setembro. Os meses de outubro a abril correspondem à estação chuvosa e há risco de cabeça d´água nos rios e cachoeiras e incidência de raios. Recomenda-se evitar a estação chuvosa ou ter cuidado redobrado. Os meses de agosto e setembro, por outro lado, são o auge da seca, com temperaturas altas e baixa umidade do ar, aumentando a probabilidade de incêndios. Todos esses fatores devem ser avaliados pelos trilheiros. Na dúvida, contrate um guia.

Tipo de terreno e ambiente: a trilha percorre estradas, estradinhas e trilhas, havendo trechos com terreno pedregoso e íngreme, pedras soltas, constante exposição ao sol, pedras escorregadias especialmente nas cachoeiras (risco de morte). As cachoeiras podem ser perigosas em especial na época das chuvas, quando o nível e força das águas pode aumentar abruptamente. A incidência solar na região é alta e nos meses mais secos a umidade relativa do ar é baixa e o risco de incêndio é alto.

Clima: O clima predominante na Chapada dos Veadeiros é o Tropical Sazonal, de inverno seco. A temperatura média anual é de 25°C e pode alcançar até 40°C na primavera. As temperaturas mínimas registradas podem ser inferiores a 10° C nos meses de maio, junho e julho. A precipitação média anual fica entre 1.200 e 1.800 mm. O período de chuva vai de outubro à abril.

Ressuprimento: para percorrer a trilha completa em uma única empreitada, independente do modal escolhido, o ressuprimento (reabastecimento de comida, gás e outros insumos) pode ser necessário. Nesse caso o trilheiro deve planejar o seu ressuprimento de preferência em algum dos pontos de apoio mais próximos de centros urbanos, seja enviando seus insumos pelo correio ou solicitando o serviço para algum prestador local.

sinalização

Queremos que você siga o caminho correto. Por isso, antes de partir para as suas aventuras, procure entender as nossas pegadas pretas e amarelas. Atualmente a trilha está sinalizada no seu leito principal com a técnica de sinalização rústica, na qual a marca é pintada em rochas, árvores, muros, mourões e outras estruturas. No sentido Sul-Norte as pegadas são amarelas em fundo preto. No sentido Norte-Sul as pegadas são pretas em fundo amarelo. 

Em locais onde não é possível aplicar as pegadas ou onde a orientação é mais difícil e demanda reforço de sinalização, estará presente a sinalização zebrada. Ainda não há placas ou outros itens de direção e a sinalização pode desaparecer devido às intempéries, por isso é recomendado o uso de GPS ou App de navegação como apoio ou a contratação de um condutor.

equipamentos de trekking e cicloturismo

O uso de equipamento adequado é fundamental para segurança e melhor aproveitamento da jornada. Entretanto, os equipamentos a se levar dependem do tipo de modal escolhido, do formato escolhido (autônomo ou com apoio) e dos objetivos propostos (trilha completa ou trechos separados). Apresentamos aqui uma lista de equipamentos básicos para o formato autônomo:

TREKKING

  • Mochila cargueira (mínimo 50L);
  • Barraca;
  • Saco de dormir com temperatura de conforto entre 10 e 12ºC;
  • Isolante térmico;
  • Bastão de caminhada;
  • Kit de primeiros socorros;
  • Lanterna de cabeça com pilhas reserva;
  • Reservatórios para 3 L de água;
  • Smartphone com App de navegação (ou GPS) e cópia dos tracklogs;
  • Fogareiro e kit de cozinha;
  • Itens de higiene;
  • Bota para trekking;
  • Chinelo;
  • Meia de cano longo;
  • Roupas leves para caminhada;
  • Roupa de banho;
  • Toalha compacta;
  • Fleece fino ou pluma leve;
  • Anorak ou capa de chuva;
  • Buff;
  • Boné/chapéu;
  • Óculos de sol;
  • Protetor solar;
  • Repelente;
  • Alimentação em quantidade suficiente para os dias propostos;
  • Papel higiênico e shit tube;
  • Dinheiro para contratação de eventuais serviços.

CICLOTURISMO

  • Barraca;
  • Saco de dormir com temperatura de conforto entre 10 e 12ºC;
  • Isolante térmico;
  • Kit de primeiros socorros;
  • Lanterna de cabeça com pilhas reserva;
  • Reservatórios para 2-3 L de água;
  • Smartphone com App de navegação (ou GPS) e cópia dos tracklogs;
  • Fogareiro e kit de cozinha;
  • Itens de higiene;
  • Tênis para ataque às cachoeiras;
  • Chinelo;
  • Roupa de banho;
  • Toalha compacta;
  • Roupa para dormir;
  • Fleece fino ou pluma leve;
  • Anorak ou capa de chuva;
  • Buff;
  • Kit remendo;
  • Câmara de ar reserva;
  • Chave de corrente;
  • Óleo ou cera lubrificante para corrente;
  • Escova de dente para limpeza da relação;
  • Flanela ou bucha para limpeza geral da bike;
  • Bermuda de ciclismo acolchoada;
  • Jogo de chave Allen;
  • Lanterna de guidão;
  • Capacete;
  • Óculos sem película para proteção dos olhos;
  • Luvas de ciclismo;
  • Protetor solar;
  • Repelente;
  • Alimentação em quantidade suficiente para os dias propostos;
  • Papel higiênico e shit tube;
  • Dinheiro para contratação de eventuais serviços.

segurança e conduta consciente

Atividades em ambientes naturais são perigosas e apresentam riscos na sua prática. Mesmo quando observados os critérios de segurança, há chances de que os praticantes possam vir a sofrer sérios danos ou até mesmo acidente fatal. Por isso observar alguns princípios de segurança e conduta consciente tornarão a sua experiência muito mais segura e prazerosa:

1. Planejamento é fundamental

  • Entre em contato prévio com a administração da área que você vai visitar para tomar conhecimento dos regulamentos e restrições existentes.
  • Informe-se sobre as condições climáticas do local e consulte a previsão do tempo antes de qualquer atividade em ambientes naturais.
  • Viaje em grupos pequenos de até 10 pessoas. Grupos menores se harmonizam melhor com a natureza e causam menos impacto.
  • Evite viajar para as áreas mais populares durante feriados prolongados e férias.
  • Certifique-se que você possui uma forma de acondicionar seu lixo (sacos plásticos), para trazê-lo de volta. Aprenda a diminuir a quantidade de lixo, deixando em casa as embalagens desnecessárias.
  • Escolha as atividades que você vai realizar na sua visita conforme o seu condicionamento físico e seu nível de experiência.

2. Você é responsável por sua segurança

  • O salvamento em ambientes naturais é caro e complexo, podendo levar dias e causar grandes danos ao ambiente. Portanto, em primeiro lugar, não se arrisque sem necessidade.
  • Calcule o tempo total que passará viajando e deixe um roteiro da viagem, com detalhes de itinerário e planos com alguém de confiança, com instruções para acionar o resgate, caso necessário. 
  • Avise à administração da área a qual você está visitando sobre: sua experiência, o tamanho do grupo, o equipamento que vocês estão levando, o roteiro e a data esperada de retorno. Estas informações facilitarão o seu resgate em caso de acidente.
  • Aprenda as técnicas básicas de segurança, como navegação (saiba como usar um mapa e uma bússola) e primeiros socorros. Para tanto, procure os clubes excursionistas, escolas de escalada e cursos de idoneidade comprovada.
  • Tenha certeza de que você dispõe do equipamento apropriado para cada situação. Acidentes e agressões à natureza em grande parte são causados por improvisações, negligência e uso inadequado de equipamentos.
  • Leve sempre: lanterna, agasalho, capa de chuva, um estojo de primeiros socorros, alimento e água em quantidade suficiente; mesmo em atividades com apenas um dia ou poucas horas de duração.
  • Caso você não tenha experiência de atividades recreativas em ambientes naturais, entre em contato com centros excursionistas, empresas de ecoturismo ou condutores de visitantes. Visitantes inexperientes podem causar grandes impactos sem perceber e correr riscos desnecessários.

3. Cuide dos locais por onde passar, das trilhas e dos locais de acampamento

  • Mantenha-se nas trilhas pré-determinadas – não use atalhos. Os atalhos favorecem a erosão e a destruição das raízes e plantas inteiras.
  • Mantenha-se na trilha, mesmo se ela estiver molhada, lamacenta ou escorregadia. A dificuldade das trilhas faz parte do desafio de vivenciar a natureza. Se você contorna a parte danificada de uma trilha, o estrago se tornará maior no futuro.
  • Ao montar seu acampamento, evite áreas frágeis que levarão um longo tempo para se recuperar após o impacto. Acampe somente em locais pré-estabelecidos, quando existirem. Acampe a pelo menos 60 metros de qualquer fonte de água.
  • Não cave valetas ao redor das barracas, escolha melhor o local e use um plástico sob a barraca.
    Bons locais de acampamento são encontrados, não construídos. Não corte nem arranque a vegetação, nem remova pedras ao acampar.
  • Remova todas as evidências de sua passagem. Ao percorrer uma trilha ou ao sair de uma área de acampamento certifique-se de que esses locais permaneceram como se ninguém houvesse passado por ali.
  • Proteja o patrimônio natural e cultural dos locais visitados. Respeite as normas existentes e denuncie as agressões observadas.
  • Não leve caixas de som ou faça churrasco na cachoeira ou camping, pois trata-se de ambiente sensível com presença de animais silvestres, para esse tipo de comportamento, procure um clube ou chácara!

4. Traga seu lixo de volta

  • Embalagens vazias pesam pouco e ocupam espaço mínimo na mochila. Se você pode levar uma embalagem cheia, pode trazê-la vazia na volta.
  • Não queime nem enterre o lixo. As embalagens podem não queimar completamente, e animais podem cavar até o lixo e espalhá-lo. Traga todo o seu lixo de volta com você.
  • Utilize as instalações sanitárias que existirem. Caso não haja instalações sanitárias (banheiros ou latrinas) na área, enterre as fezes em um buraco com 15cm de profundidade e a pelo menos 60m de qualquer fonte de água, trilhas ou locais de acampamento, e em local onde não seja necessário remover a vegetação. Traga o papel higiênico utilizado de volta.
  • Não use sabão nem lave utensílios em fontes de água.

5. Deixe cada coisa no seu lugar.

  • Não construa qualquer tipo de estrutura, como bancos, mesas, pontes etc. Não quebre ou corte galhos de árvores, mesmo que estejam mortas ou tombadas, pois podem estar servindo de abrigo para aves ou outros animais.
  • Resista à tentação de levar lembranças para sua casa. Deixe pedras, artefatos, flores, conchas etc onde você os encontrou, para que outros também possam apreciá-los.
  • Não risque, piche ou grave de qualquer forma, pedras, troncos ou estruturas do local.
  • Tire apenas fotografias, deixe apenas suas pegadas, mate apenas o tempo e leve apenas suas memórias.
  • Não danifique ou remova a sinalização.

6. Evite fazer fogueiras

  • Fogueiras enfraquecem o solo, enfeiam os locais de acampamento e representam uma das grandes causas de incêndios florestais.
  • Para cozinhar, utilize um fogareiro próprio para acampamento. Os fogareiros modernos são leves e fáceis de usar. Cozinhar com um fogareiro é muito mais rápido e prático que acender uma fogueira.
  • Para iluminar o acampamento, utilize um lampião ou uma lanterna, em vez de uma fogueira.
  • Para se aquecer, tenha a roupa adequada ao clima do local que está visitando. Se você precisar de uma fogueira para se aquecer, provavelmente planejou mal sua viagem. Se você realmente precisar acender uma fogueira, consulte previamente a administração da área que estiver visitando sobre os regulamentos existentes, e utilize locais estabelecidos.
  • Tenha absoluta certeza de que sua fogueira está completamente apagada antes de abandonar a área.

7. Respeite os animais e as plantas

  • Observe os animais à distância. A proximidade pode ser interpretada como uma ameaça e provocar um ataque, mesmo de pequenos animais. Além disso, animais silvestres podem transmitir doenças graves.
  • Não alimente os animais. Os animais podem acabar se acostumando com comida humana e passar a invadir os acampamentos em busca de alimento, danificando barracas, mochilas e outros equipamentos.
  • Não retire flores e plantas silvestres. Aprecie sua beleza no local, sem agredir a natureza e dando a mesma oportunidade a outros visitantes.

8. Seja cortês com outros visitantes e com a população local

  • Ande e acampe em silêncio, preservando a tranquilidade e a sensação de harmonia que a natureza oferece. Deixe caixa de som e instrumentos sonoros em casa.
  • Trate os moradores da área com cortesia e respeito. Mantenha as porteiras do modo que encontrou e não entre em casas e galpões sem pedir permissão. Seja educado e comporte-se como se estivesse visitando casa alheia. Aproveite para aprender algo sobre os hábitos e a cultura do meio rural.
  • Prefira contratar os serviços locais de hospedagem, transporte, alimentação e outros. Desse modo, você estará colaborando para que os recursos financeiros permaneçam na comunidade.
  • Deixe os animais domésticos em casa, pois, além de afugentarem a fauna silvestre, podem causar problemas sérios com a introdução de doenças e outras ameaças ao ambiente natural. Caso traga o seu animal com você, mantenha-o controlado todo o tempo. As fezes dos animais devem ser tratadas da mesma maneira que as humanas. Elas também estão sob sua responsabilidade. Muitas áreas não permitem a entrada de animais domésticos, portanto verifique com antecedência.
  • Evite usar cores fortes que podem ser vistas a quilômetros e quebram a harmonia dos ambientes naturais. Use roupas e equipamentos de cores neutras, para evitar a poluição visual em locais muito frequentados. Para chamar a atenção de uma equipe de socorro em caso de emergência, tenha em sua mochila um plástico ou tecido de cor forte.
  • Colabore com a educação de outros visitantes, transmitindo os princípios de mínimo impacto sempre que houver oportunidade.
  • Evite a instagramização deste lugar! Aprecie mais e poste menos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *